Santos, Cartão Postal do Brasil.

A limpeza diária da orla da praia de Santos é um importante tema discutido por políticos da região pois a coleta de lixo dos entornos da orla simplesmente não atende a demanda diária de moradores, turistas e visitantes da baixada santista. Marcado pelo atual sistema de drenagem, o modelo de escoamento de águas pluviais, permite a ocupação e urbanização de boa parte da cidade. Os canais de drenagem foram projetados pelo Eng. Saturnino de Brito (1864-1929) face aos alagamentos que provocavam doenças e endemias tropicais tornando-se uma referência para os santistas. O atual sistema concentra o volume de água que escorre do morro e água não aproveitada da chuva que era concentrada em terrenos hoje ocupado por edifícios de mais de vinte andares. Os canais são por vezes usado para despejar lixo, o que impacta na balneabilidade das praias, pois os canais desembocam no mar. Assim, todo o detrito descartado retorna a praia devido a corrente marítima. Já o nível da água nos canais determina a abertura e fechamento das comportas, que é realizado de acordo com as marés. Tendo efeito na poluição da areia de praia e da água do mar apreciada pelos banhistas. Porém, a qualidade e classificação da nossa praia depende de diversos fatores que favorecem a recreação e balneabilidade da praia oferecido a turistas e moradores valorados para a cidade. Oferecer a balneabilidade da praia requer uma reinvenção do atual sistema de drenagem da água da chuva incluindo as comportas e a limpeza periódica dos canais que fazem parte da paisagem da cidade há mais de cem anos. Bem como a melhora do sistema de coleta de lixo da orla e jardins da orla que não garantem a limpeza total da areia da praia com quase de 8 KM de extensão. (Gutenberg)

Projeto de Saneamento de Saturnino de Brito para Santos.

Conheça a história da construção dos Canais (link externo):