Grafeno: A matéria-prima do século XXI.

As beneficies trazidas com o grafeno, nanomaterial extraído do grafite poderá revolucionar a maneira como estamos acostumados a lidar com a tecnologia e, por sua vez, os meios de produção que abastecem a industria global. Sua matéria-prima, o grafite é abundante e barato se comparado a outros minérios amplamente utilizados. No mundo as pesquisas com este composto químico indicam que o material oferece potencial tecnológico para diversos setores da industria automotiva, aeroespacial, biomédica, eletrônica, telecomunicações e, muito além, devido as suas propriedades de condutividade, resistência, flexibilidade e espessura até então descobertas. O material pode ser utilizado, por exemplo, em equipamentos eletrônicos que demande maior eficiência energética, substituindo o material utilizado nos circuitos eletrônicos como o cobre, ou reduzir o tamanho e peso do equipamento ao invés do plástico ou aço. Para se ter uma ideia o grafeno é um material bidimensional, tão fino quanto a espessura de um átomo, 200 vezes mais resistente que o aço, sendo um excelente condutor de condutividade e calor. Conforme as pesquisas indicam, no século XXI o desafio será implantar as aplicações do grafeno em escala industrial, ou seja, processar o material para aproveitamento, por exemplo, em nanotubo de carbono que possuem inúmeras utilidades para a indústria. O Brasil têm uma das maiores reservas de grafite do mundo o que poderá se tornar uma grande referência se aproveitado para os diversos campos que prometem inovação tecnológica e novos produtos.